Resenhas

O Assassinato de Roger Ackroyd, Agatha Christie

O Assassinato de Roger Ackroyd“Em uma noite de setembro, o milionário Roger Ackroyd é encontrado morto, esfaqueado com uma adaga tunisiana – objeto raro de sua coleção particular – no quarto da mansão Fernly Park na pacata vila de King’s Abbott. A morte do fidalgo industrial é a terceira de uma misteriosa sequência de crimes, iniciada com a de Ashley Ferrars, que pode ter sido causada ou por uma ingestão acidental de soníferos ou envenenamento articulado por sua esposa – esta, aliás, completa a sequência de mortes, num provável suicídio. Os três crimes em série chamam a atenção da velha Caroline Sheppard, irmã do dr. Sheppard, médico da cidade e narrador da história. Suspeitando de que haja uma relação entre as mortes, dada a proximidade de miss Ferrars com o também viúvo Roger Ackroyd, Caroline pede a ajuda do então aposentado detetive belga Hercule Poirot, que passava suas merecidas férias na vila. Ameaças, chantagens, vícios, heranças, obsessões amorosas e uma carta reveladora deixada por miss Ferrars compõem o cenário desta surpreendente trama, cujo transcorrer elenca novos suspeitos a todo instante, exigindo a habitual perspicácia do detetive Poirot em seu retorno ao mundo das investigações. O assassinato de Roger Ackroyd é um dos mais famosos romances policiais da rainha do crime.”

A narração de todos os acontecimentos acontece através do Doutor James Sheppard, o médico da pacata vila King’s Abbott. No inicio do livro, acompanhamos o desfecho da morte da Sra. Ferrars – uma viúva que aparentemente tomou a dose errada da sua medicação para dormir ou – de acordo com a suspeita de Caroline, a irmã do Dr Sheppard – ela teria cometido suicídio pela culpa da morte do marido. O marido da Sra Ferrars morreu devido a uma ingestão acidental de soníferos. É claro que a bisbilhoteira Caroline acredita que na verdade foi a esposa dele que o matou por envenenamento. Logo após, acontece outro assassinato que desencadeia toda a nossa história.

Roger Ackroyd, um magnata também viúvo, é assassinado a sangue frio dentro de seu próprio quarto. Após receber uma ligação, aparentemente do mordomo de Ackroyd – Parker – Dr. Sheppard vai até a mansão Fernly Park. Ao chegar lá, descobre que ninguém ligou e desconfiado pede para falar com o amigo. É então que encontra Ackroyd sentado em sua poltrona, assassinado com sua própria adaga tunisiana – um objeto raro de sua coleção.

“Fiz o pouco que tinha para ser feito. Fui cuidadoso para não desfazer a posição do corpo e para não tocar absolutamente na adaga. Não haveria nenhum benefício em fazê-lo. Ackroyd estava claramente morto havia algum tempo.”

Mais cedo naquela noite, Ackroyd fez um jantar onde várias pessoas compareceram, inclusive Sheppard. Os boatos que rolavam era que Sra Ferrars e Ackroyd estavam noivos, e ela estava sendo chantageada. Após o jantar, Sheppard e Ackroyd vão para o escritório  do milionário para que ele revele para o Dr a chantagem que a noiva vinha sofrendo e, durante a conversa, ele recebe uma carta revelando o possível chantageador. Depois que deixou o amigo no escritório, Sheppard volta para casa.

A pedidos da sobrinha do morto, Hercule Poirot entra em ação. O famoso detetive belga tem o dever de descobrir a verdade sobre o que aconteceu naquele quarto na noite do assassinato. Ele tem inúmeras pessoas que teriam motivos para matar o milionário. Contando com a ajuda de Sheppard, Poirot começa a sua investigação recriando a cena do crime. Caroline, que adora fofocar sobre a vida dos vizinhos, acaba sendo muito útil ao detetive.

“Mas eu gostaria que Hercule Poirot não tivesse nunca se aposentado e vindo para cá cultivar abóboras.”

A escrita é de maneira objetiva, deixando a leitura deliciosa e fluída. Adorei a construção dos personagens. Todos tem algo a esconder e vão fazer de tudo para que seus segredos se mantenham sigilosos. E é muito legal de ver que todos esses segredos tem uma ligação com a trama principal, e que sem esses segredos não poderíamos desvendar o crime. E o final é surpreendente, não é a toa que Agatha Christie é a rainha do mistério. A maneira como ela construiu o enredo, os motivos do culpado e como ele fez o assassinato me deixou bastante intrigada. Nem de longe poderia ter imaginado quem era o culpado.

O Assassinato de Roger Ackroyd foi o primeiro livro que eu li da autora e simplesmente amei. A trama é instigante, aguçando a curiosidade do leitor.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s