Seriados

Review: The Following – 2ª temporada

Imagem relacionada

A vingança é a trama principal desta segunda temporada de The Following.  Do primeiro ao último capítulo, dos protagonistas aos personagens secundários.

No primeiro momento, temos um Ryan Hardy (Kevin Bacon) diferente. Depois de perder Claire (Natalie Zea), Ryan se transforma em uma especie de justiceiro, fazendo uma investigação pessoal e, contando com a ajuda de sua sobrinha Max (Jessica Stroup), ele começa uma caçada á Joe Carrol  (James Purefoy), que acredita ainda estar vivo. O FBI foi deixado de lado, e Mike (Shaw Ashmore) só aparece para implorar que Ryan volte a ajudar nas investigações do FBI.

A série inicia um ano depois dos acontecimentos do último episodio da primeira temporada. Agora, novos assassinos estão soltos pelas ruas fazendo o que bem entendem, liderados pelo legado de Joe Carrol. É apresentado aos telespectadores, uma nova família de psicopatas. Lily Gray (Connie Nilsen) e seus seis filhos pertencentes á diferentes partes do mundo, são os que mais preocupam o FBI. Os mais atuantes nesta família são os gêmeos Mark e Luck (Sam Underwood). Eles merecem destaque pois são responsáveis por diversas cenas de humor negro e pela tensão criada nos últimos capítulos.

Como era de se esperar, Carrol não morreu no embate final com Ryan. Na verdade, a trama para que ele seja considerado morto foi meio surreal. Joe tinha um meio-irmão vivendo na Inglaterra e, com a ajuda de seu mentor Arthur Strauss (Gregg Henry), eles trazem o corpo para os Estados Unidos e o colocam estrategicamente no lugar onde seria o embate de Joe e Ryan. E a volta de Joe surge com a obsessão de Lily Gray de que Carrol seria a imagem paterna ideal para seus filhos psicopatas.

Temos o retorno de Emma, ainda mais obcecada por Joe, e suas cenas são compostas, na maioria, por crises de ciúmes. Ainda é apresentado uma antiga seguidora de Joe que os telespectadores ainda não conheciam e que é a fonte de informação dele sobre o FBI. Toda essa trama de família distorcida não dura muito tempo, porém é essencial para uma nova trama, criando uma nova carga emocional para Mike, que irá ter sua família atacada.

Imagem relacionada

Joe busca refugio na seita Korban, um grupo diferente e que não dá muito para entender o que eles fazem ou querem. Liderando esse grupo, Joe passa a usar uma nova obra para doutrinar seus novos seguidores para matar por ele. A inspiração de Joe, que antes era Edgar Allan Poe, agora passa a ser a obra que, segundo Carrol, mais matou na história da humanidade: a Bíblia.

E agora Joe Carroll tem um novo alvo: o pastor Kingston Tanner (Tom Cavanagh). Em um espetáculo transmitido ao vivo para mostrar a sua grandesa e vitória sobre falsos pregadores, Carroll faz um jogo sádico entre o pastor e o filho, que precisam escolher entre matar um ao outro ou morrerem juntos. Envolvendo uma igreja e alguns fiéis como reféns, o grande plano de Joe não acaba como ele havia planejado. Numa tentativa de salvar o filho, o pastor se mata; logo em seguida, Ryan invade a igreja dando brecha para uma equipe entrar e resgatar os reféns.

Um ponto negativo na série foi a volta de Claire. Ela havia sido dado como morta depois do ataque de uma antiga namorada de Ryan, que se revelou uma seguidora de Carroll. Porém, ela retorna para o mundo dos vivos com a desculpa de estar protegida pelo FBI e, como era de se esperar, ela não acrescenta nada de novo nesta nova temporada. Claire é apenas mais uma preocupação para Hardy, ao estar sempre se colocando em perigo. A única coisa boa do retorno da personagem é que, em uma tentativa de ser pega por Joe, ela se depara com Emma e a desavença das duas dá inicio ao um confronto final entre as personagens.

A relação de amor e ódio entre Joe e Ryan é a razão principal da série. Fica evidente que os dois personagens querem ver um ao outro morto, mas não conseguem viver sem seu inimigo. E no final, Ryan percebe que a morte é uma saída fácil para Carroll. Preferindo assim, deixá-lo na cadeia rumo ao esquecimento, do que matá-lo e perpetuar o nome do criminoso na história.

O gancho para a terceira temporada fica com a vingança de Mike que, depois de matar Lily e Luck, ainda está a caça de Mark. E, também, fica o questionamento sobre quem é a pessoa misteriosa que encontra Mark no meio de uma estrada deserta, depois que o mesmo o liga pedindo por ajuda. Esperamos que não seja ninguém retornando dos mortos dessa vez e que os roteiristas nos apresentem um personagem novo.

Anúncios

Um comentário em “Review: The Following – 2ª temporada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s